domingo, 31 de agosto de 2008

A Dama da Noite

A lâmpada da minha sala está com problemas desde sexta-feira. Só acende quando tem vontade. Hoje ela não teve vontade nenhuma e estou às escuras. Fui trabalhar na varanda, que tem uma luz boa para redes, conversas e vinhos, mas não para dobrinhas. Mas eu quis mesmo assim. Peguei um papel que estava há meses guardado. Parecia uma noite estrelada. Então peguei a noite e a moldei em flores. No caminho encontrei dois beija-flores insones e os convidei a juntarem-se à nós.



7 comentários:

Menino Falk disse...

"Para fazer uma campina
é preciso um trevo e uma abelha,
um trevo, uma abelha e fantasia...
Mas faltando abelhas
basta a fantasia" (Emily Dickinson)
...
Para fazer a noite
é preciso papel guardado na memória,
flores, dois beija-flores e fantasia...
Mas faltando luz
basta a fantasia.
...
Parabéns!

Marcela disse...

Pura poesia! Bjs.

Tutti Tu disse...

Flá,
Que lindo!
Nem a falta de luz fez com que suas dobras ficassem perfeitas, não?
Adoro seus trabalhos!
Beijinhos
Fabi

Regina Schultz disse...

Que lindo, Flávia. Ficou perfeito.

verônica disse...

noite = inspiração. deve ter sido por isso. :) lindo mesmo.

Heloá disse...

Tá lindo, Flávia! =D
Inspiração das estrelas mesmo!

beijos!
=***

Flavia Penedo disse...

Queridos e queridas, muito obrigada pelo retorno de vocês!

Falk, suas intervenções têm me dado vontade de fazer um blog só de poeminhas dobrados!

beijos